Existem poucos lugares para os quais as pessoas têm uma reação imediata e inegável, como o mar. Poucos lugares no mundo nos envolvem tão imediatamente quanto a imensidão da água salgada, entrando e saindo, sem nenhuma preocupação além de realizar a mesma tarefa que vem realizando muito antes de chegarmos a este mundo. Só de pensar que a vida começou na água nos faz pensar em como é lógico sentir uma afinidade tão clara e instantânea em relação às ondas e seu fluxo.

Mas se deixarmos a ciência acrescentar sua voz ao coro interminável daqueles que cantam às maravilhas do mar, perceberemos que há uma relação direta e imediata entre nosso bem-estar e o fluxo das ondas.

Nos resultados de uma investigação realizada pela Faculdade de Ciências Marítimas da Universidade de Kobe, o mar, suas ondas e sua música entram diretamente em nosso cérebro. Os padrões sonoros são reconhecidos pela nossa casa da moeda, desencadeando uma onda imediata de calma e prazer. Os grãos de areia entre os dedos, juntamente com as cores e o aroma do oceano, relaxam a hortelã. A longo prazo, isso tem efeitos positivos na saúde mental das pessoas, portanto, não há nada mais aconselhável do que morar perto do mar.

Indo ao específico, a parte do cérebro que recebe os efeitos do mar é o córtex pré-frontal. Essa parte da nossa mente é dedicada a avaliar emoções e fazer reflexões pessoais. Em outras palavras, o mar afeta nossas emoções que podem ser semelhantes ou até mais fortes do que um ente querido pode nos inspirar.

Não é a primeira vez que estudos apontam as pessoas que residem perto do mar como as mais felizes do mundo . Por mais que as grandes cidades tenham o apelo de estar onde você pode ganhar mais dinheiro ou se conectar com as cenas artísticas mais fascinantes, nada supera o conhecimento ancestral. Talvez seja por isso que todas as grandes cidades do mundo foram fundadas com um rio no centro: se não pudessem estar de frente para o mar, pelo menos teriam um fluxo de água correndo em seus corações.

É por isso que dizem que o mar é sábio.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS