Por: Conti Outra

Anos de lutas tiveram sua razão de ser.

Não é que somos seres violentos ou agressivos, mas apenas pequenas lutas que ocorrem quando se é pequeno.

E de acordo com um estudo da Universidade de Cambridge, essas lutas são boas para a sua saúde e nos tornam boas pessoas.

A longo prazo a rivalidade entre irmãos pode ajudar a melhorar o desenvolvimento mental, emocional, além de aumentar a maturidade e promover habilidades sociais em crianças. Portanto, o estudo conclui que ter rivalidade entre irmãos é algo positivo para o desenvolvimento das crianças a longo prazo.

“Quanto mais combativos os irmãos são e mais eles discutem e quanto mais eles rebaixam os mais jovens, eles aprenderão lições mais complexas sobre comunicação e as sutilezas da linguagem. Quanto mais eles ficarem chateados um com o outro, mais eles aprenderão a regular suas emoções e como eles podem afetar as emoções dos outros “. -Dr. Claire Hughes em entrevista ao The Guardian .

É claro que não é por isso que é bom que as crianças sejam violentas e agressivas, mas é uma questão de brigas infantis e superficiais, porque, do contrário, isso poderia ter consequências devastadoras para as crianças.

“A visão tradicional é que ter um irmão ou irmã leva a muita competição pelo cuidado e amor dos pais. De fato, o equilíbrio de nossas evidências sugere que o entendimento social das crianças pode ser acelerado pela interação com os irmãos em muitos casos. ” -Dr. Claire Hughes em entrevista ao The Guardian .

O estudo foi realizado seguindo 140 crianças por cinco anos, com alguns apenas dois anos de idade quando eles começaram. Os pesquisadores passaram as crianças através de vários testes e, acima de tudo, analisaram suas interações com pais, amigos, irmãos e desconhecidos. Eles também tiveram que realizar entrevistas, preencher questionários e avaliar suas habilidades linguísticas.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Tradução feita pela CONTI outra, do original de UPSOCL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS