Por Revista Saber Viver Mais

Uma nova opção para os paciente que sofrem de esclerose múltipla está chegando ao Brasil.

Ocrelizumabe, já recebeu o registro da Anvisa(Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o novo medicamento é produzido pelos laboratórios Roche.

O novo medicamento vai impedir que pacientes que sofrem da esclerose múltipla tenham o surto da doença.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune que afeta o cérebro, nervos ópticos e a medula espinhal (sistema nervoso central). Isso acontece porque o sistema imunológico do corpo confunde células saudáveis com “intrusas”, e as ataca provocando lesões.

O sistema imune do paciente corrói a bainha protetora que cobre os nervos, conhecida como bainha mielina.

Isso causa sintomas diversos, como distúrbios do movimento. Não existe cura e os medicamentos visam somente reduzir os surtos da doença em crises mais agudas. A droga se liga ao linfócito B, célula de defesa que tem um papel importante na destruição da bainha.

O medicamento identifica e elimina os linfócitos B específicos. Reduzindo assim a inflamação e os ataques na bainha de mielina, com a reduções prováveis dos surtos, automaticamente há um atraso na progressão da doença. Segundo nota da Anvisa.

Leia Também: Medicamentos para azia e refluxo podem ser perigosos!

O medicamento é biológico, ou seja, seu princípio ativo é produzido por meio de organismos vivos. Também trata-se de um anticorpo monoclonal.

Para produzir um anticorpo monoclonal, pesquisadores clonam uma célula de defesa, que depois é treinada para identificar e atacar agentes causadores de doenças.

Apesar de estar sendo estudada em vários países, as causas da esclerose ainda não são conhecidas. Mas, a partir de análises quantitativas de pacientes, sabe-se que é mais recorrente em mulheres jovens, entre 20 e 40 anos, e de pele branca.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Com informações: G1 & Saude.abril

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS