As descobertas, demonstradas em experimentos com beija-flores ( Selasphorus platycercus ) no Colorado, sugerem que a capacidade de discriminar cores não espectrais (incluindo comprimentos de onda ultravioleta) pode desempenhar um papel vital em comportamentos como acasalamento, alimentação e fuga de predadores.

Ao contrário dos seres humanos, que têm três tipos de células cônicas sensíveis aos olhos, os pássaros têm quatro tipos de células cônicas que os ajudam a processar as diferenças entre os diferentes tipos de cores. Com três cones, os olhos humanos podem perceber o que é conhecido como cor tricromática , composta de uma mistura neural de luz vermelha, verde e azul.

Graças a esse processo, nosso cérebro pode perceber a cor não espectral roxa (porque é uma combinação de azul e vermelho). Mas os beija-flores com um cone extra podem ver um espectro ainda maior de cores ao serem sensíveis a mais tipos de comprimentos de onda de luz – abrindo a porta para outros tipos de combinações de cores que não podemos ver ou até … imaginar.

“Os seres humanos são daltônicos em comparação com pássaros e muitos outros animais”, diz a bióloga evolucionária Mary Caswell Stoddard, da Universidade de Princeton.

“Não só ter um quarto tipo de cone de cor estende a gama de cores visíveis para os pássaros até os UV, como também potencialmente permite que os pássaros percebam cores combinadas como ultravioleta + verde e ultravioleta + vermelho – mas isso tem sido difícil de testar.”

Pensa-se que os pássaros, com sua célula cônica extra, possam perceber até cinco cores não espectrais.

Para testar isso, Caswell e sua equipe montaram tubos de LED de ‘visão de pássaros’ programados para exibir várias cores, incluindo as cores não espectrais que os humanos não podem ver. Esses dispositivos foram então colocados ao lado de alimentadores de água, alguns dos quais continham água com açúcar (de que os pássaros gostam) ao lado de uma cor, enquanto outros continham água pura ao lado de uma cor diferente.

Eles trocariam as posições desses alimentadores e verificariam se os pássaros poderiam usar o indicador de cores para dizer qual alimentador era qual.

Em uma série de experimentos randomizados ao longo de três anos (envolvendo milhares de sessões de alimentação), o objetivo era verificar se os beija-flores mostravam uma preferência em se alimentar nas estações de água exibindo as combinações de cores ultravioletas, o que permitiria que eles pudessem vê-los, mesmo se os humanos não puderem.

Acontece que os animais poderiam, facilmente distinguir entre os diferentes tipos de cores não espectrais para obter uma recompensa doce. “Foi incrível assistir”, diz o co-autor do estudo e aluno de doutorado Harold Eyster, da Universidade da Colúmbia Britânica.

“A luz ultravioleta + verde e a luz verde pareciam idênticas a nós, mas os beija-flores continuavam escolhendo corretamente a luz ultravioleta + verde associada à água com açúcar. Nossas experiências nos permitiram dar uma espiada no que o mundo parece com um beija-flor”.

Embora nós, humanos, com nossos olhos humanos insignificantes, não possamos realmente entender como essas variações de cores se parecem com os animais, os resultados sugerem que há uma diferença discernível – no que diz respeito aos pássaros – entre ultravioleta, vermelho e ultravioleta+vermelho, com o mesmo vale para ultravioleta+verde, ultravioleta+amarelo e ultravioleta+roxo.

Podemos não ser capazes de ver ou entender, mas o beija-flor pode.

Em outro experimento, os pesquisadores analisaram quase 1.000 tipos diferentes de plumagem de pássaros e quase 2.400 tipos diferentes de plantas, e descobriram que as cores de cerca de um terço de cada uma seriam percebidas como uma cor não espectral – indicando o quanto isso a capacidade visual pode afetar suas interações com o mundo.

“Esses resultados são consistentes com a alegação de que os pássaros são tetracromatos, de modo que o espaço de cores das aves representa uma vasta gama de cores comportamentais e ecologicamente relevantes, muitas das quais os seres humanos (ou qualquer tricromat) nem sequer conseguem imaginar”, explicam os pesquisadores em seu artigo .

“Mostrar que os pássaros podem discriminar uma variedade de cores não espectrais fornece um passo adiante em nosso entendimento da dimensionalidade da visão dos pássaros”.

Ainda há muito a aprender aqui, com os pesquisadores dizendo que seus resultados, por mais impressionantes que sejam, ficam aquém da prova de que os pássaros possuem um sistema visual tetracromático.


Beija-flor. Foto: Rosalie Kreulen / Shutterstock.com

No futuro, experimentos mais rigorosos com mais cores podem nos ajudar a testar ainda mais os limites da percepção de cores das aves. Mesmo assim, ainda não sabemos muito sobre quais mecanismos neurais permitem que o cérebro dos animais perceba essas cores.

Sem mencionar, como dizem os pesquisadores, a “questão mais filosófica de como as cores não espectrais realmente se parecem” aos olhos estranhos dos beija-flores.

“O UV + verde aparece nos pássaros como uma mistura dessas cores (análoga a um acorde duplo tocado por um violinista) ou como uma sublime nova cor (análoga a um tom completamente novo, diferente de seus componentes)? Não podemos dizer” escrevem os autores , observando que ponderar essa questão irrespondível sobre cores invisíveis é um fardo puramente humano.

beija-flor-de-barriga-branca (Amazilia leucogaster)

“Em última análise, o que importa para um pássaro provavelmente não é se sinais coloridos são detectados por tipos de cone adjacentes ou não adjacentes: é como essas cores funcionam para fornecer informações sobre alimentos, parceiros ou predadores”.

Texto originalmente publicado no Science Alert, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais
Imagem capa: Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS