A atriz e vários ícones da moda participaram dos protestos contra as mudanças climáticas em frente ao Capitólio dos Estados Unidos. Quase cinco décadas atrás, ela foi presa por razões semelhantes.

Algo aconteceu nas décadas de 60 e 70, que emergiu toda uma geração de atores, atrizes e outros artistas e personagens que não pareciam ter medo de nada. Eles não apenas estrelaram, filmaram ou gravaram algumas das obras culturais mais apreciadas e originais da história do cinema, mas depois que as câmeras saíram, eles continuaram a mostrar ao mundo que ninguém lhes diria como eles deveriam viver suas vidas.

Um dos rebeldes mais conhecidos dessa época foi Jane Fonda, uma atriz que tem a distinção de ter ganho o Oscar de melhor atriz e ter acabado na prisão por defender suas convicções.

Como se o tempo não tivesse passado, ontem Jane fez notícias em todo o mundo quando foi levada algemada para uma viatura policial da polícia em Washington DC

Aos 81 anos, Jane Fonda foi novamente detida por expressar sua insatisfação com a maneira como lideravam o seu país. Nesse caso, a protagonista de “Barbarella” se juntou à chamada sexta-feira para o futuro, organizada pela ativista das mudanças climáticas Greta Thunberg. Cem crianças em idade escolar saem às ruas toda sexta-feira para mostrar sua preocupação com o estado do planeta. Eles dizem que, devido às atividades que a geração de seus pais e avós e ao pouco que se preocupavam com as conseqüências de suas ações, eles teriam que viver um mundo miserável.

Ao contrário das crianças em idade escolar, Jane levou sua atividade um passo adiante. Juntando-se a um pequeno mas muito determinado grupo de protestantes, a atriz se aproximou do próprio Capitólio. Uma lei proíbe protestos nas escadas deste monumento nacional; portanto, depois de receber vários avisos, Jane e 13 outras pessoas foram presas pela polícia e levadas sob custódia.

49 anos antes, em 1970, Jane foi presa pela primeira vez em uma manifestação contra a Guerra do Vietnã. Sua fotografia oficial da prisão foi ao redor do mundo devido à sua atitude desafiadora em relação à própria lei. Seu punho levantado em protesto foi visto por todos como uma confirmação de que Hanói Jane (como seus rivais a apelidavam por seu suposto “apoio” às forças vietcongues) não temia nada.

Jane foi libertada dentro de algumas horas, então ela está pronta para continuar mantendo suas convicções como a coisa mais importante em sua vida. Vamos lá, Hanói Jane!

Texto originalmente publicado no UPSCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS