Ana Beatriz Nogueira decidiu romper o silêncio para combater o preconceito, e revelou ao jornal O Globo que é portadora de esclerose múltipla há nove anos.

A doença foi diagnosticada em 2009, quando a atriz fazia a novela “Caminho das Índias” (TV Globo). O primeiro surto aconteceu quando estava em casa assistindo a um filme e sentiu a visão duplicar.

“Achei que a legenda da televisão estava ruim. Mas, no dia seguinte, não tinha melhorado e procurei um médico. Ele disse que isso se chamava ‘diplopia’ e poderia ter inúmeras causas. Concluiu que era efeito colateral de um remédio para dormir que eu estava tomando. Me tranquilizou e garantiu que passaria com a suspensão do medicamento”, disse ao jornal.

Alguns dias depois, na festa do lançamento da novela no Parque Lage, Ana precisou da ajuda de Tony Ramos e da mulher dele para subir as escadas e chegar ao salão do local. Mas logo a visão voltou ao normal, e ela atribuiu o episódio aos motivos que o médico havia apontado.

O segundo surto aconteceu no meio da novela e a atriz resolveu procurar ajuda especializada. Fez uma ressonância magnética e um exame de líquor, recomendado para o diagnóstico de doenças neurológicas. O teste deu positivo para esclerose múltipla, mas o médico insistiu que era um “falso positivo”.

Leia Também: A verdade por trás do vídeo viral do rato tomando banho não é nada engraçada

Ela ainda passou por mais diversos exames, sem conclusões, até os sintomas sumirem. Meses depois, quando veio o terceiro surto, Ana foi atendida por outro neurologista, que fez o diagnóstico definitivo. Apesar do choque, o prognóstico também representou um alívio.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune que não tem cura e pode ser incapacitante, mas a atriz sofre do problema na forma branda, e consegue controlá-lo.

Ana resolveu se atirar de cabeça no trabalho para manter-se ativa. Amigos próximos, como Patricia Pillar, Zélia Duncan e Malu Mader, aprenderam a aplicar a injeção de imunomodulador que ela precisa para nunca mais ter surtos.

As únicas mudanças na rotina são a medicação, a obrigação de fazer ginástica, o calor excessivo e a fadiga. No mais, ela é igual à de qualquer profissional no auge da carreira.

Com a doença sob controle, decidiu que poderia ajudar a combater o preconceito ao revelar sua condição. Ana contou que ainda pretende abrir um espaço na internet para tratar do assunto.

“Minha decisão de falar foi motivada por amigos, por terapia e pelo desejo de tornar essa estrada mais fácil para quem tiver que passar por ela. Não estou doente, tenho uma doença.

Gosto de ver a esclerose múltipla como uma característica. Muita gente tem medo de falar, com receio de virar ‘café com leite’ na vida. Mas quem controla a vida?”, afirmou na entrevista.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Catraca Livre

Com informações de: O Globo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS