A iniciativa busca conter os efeitos das mudanças climáticas no mundo. Ela promete devolver a vida ao deserto.

As mudas estão prontas, a terra foi preparada com dezenas de sulcos de um quilômetro de comprimento. Agosto estava começando e 399 voluntários de 27 países diferentes estavam prontos para chegar ao canto remoto do norte do Senegal , na África, para participar de um dos esforços mais ousados ​​do mundo para combater os efeitos das mudanças climáticas: reflorestar 247 milhões de acres de terra para em todo o país.

O projeto Grande Muralha Verde, liderado pela União Africana e financiado pelo Banco Mundial, União Européia e Nações Unidas, foi lançado em 2007 para impedir a expansão do Saara, plantando uma barreira de árvores de 4.815 milhas ao longo do seu extremo sul.

Mas, à medida que aumentam as preocupações com o impacto das mudanças climáticas, o projeto busca um novo papel.

O objetivo agora, dizem seus projetistas, é transformar a vida de milhões de pessoas que vivem na linha de frente das mudanças climáticas, restaurando terras agrícolas arruinadas por décadas de uso excessivo; quando for concretizado, deve fornecer alimentos, interromper conflitos e desencorajar a migração, de acordo com a Time.

Quando o projeto for concluído em 2030, espera-se que a terra restaurada absorva cerca de 250 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono da atmosfera, o equivalente a manter todos os carros da Califórnia estacionados por 3 anos e meio.

O movimento busca fazer crescer a maravilha natural de um total de 8 mil quilômetros em toda a África.

“Uma década e aproximadamente 15% em andamento, a iniciativa já está devolvendo vidas a paisagens degradadas na África em uma escala sem precedentes , fornecendo segurança alimentar, empregos e uma razão para ficar para os milhões que vivem a caminho”. Conta a mesma organização em seu site.

Uma vez concluída, a Grande Muralha Verde será a maior estrutura viva do planeta, três vezes o tamanho da Grande Barreira de Corais, o maior recife de coral do mundo, localizado na Austrália.

Mais do que apenas cultivar árvores e plantas, a Grande Muralha Verde está transformando a vida de milhões de pessoas na região do Sahel.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS