Kombucha é uma bebida feita a partir de um chá ou infusão adoçado que, a partir da fermentação controlada, oferece qualidades probióticas (organismos compatíveis com a nossa flora intestinal), enzimas que auxiliam a digestão, além de vitaminas do complexo B e K provenientes do processo metabólico dos microrganismos.

A kombucha é uma bebida que vem da China Antiga, há aproximadamente 2 mil anos atrás. Mesmo na China antiga a kombucha já era conhecida como uma espécie de remédio anti-inflamatório para lidar com problemas como a artrite.

A bebida é produzida a partir de uma mistura de chá (geralmente chá preto ou chá verde), açúcar e uma espécie de cultura de levedura e bactérias.

Veja quais são os principais benefícios da kombucha para a saúde, além de entender um pouco melhor o que é a bebida e descobrir para que serve.

1. Energia

Um dos grandes benefícios da kombucha e o fornecimento de energia ao organismo. Isso acontece por conta da formação de ferro que é liberado pelo chá preto, utilizado na preparação da bebida durante o processo de fermentação que origina a kombucha.

O ferro auxilia em relação ao reforço da hemoglobina do sangue, melhorando o suprimento de oxigênio e estimulando o processo de produção de energia no nível celular. Há ainda a cafeína, apesar de estar presente em quantidades pequenas, e as vitaminas do complexo B, que também podem energizar o corpo.

2. Saúde do sistema imunológico

Devido aos seus efeitos antioxidantes, a bebida é considerada vantajosa para o sistema de defesa do organismo. Esses efeitos oxidantes combatem a ação dos radicais livres, associados a doenças graves como o câncer e ao envelhecimento precoce.

A bebida contém um antioxidante denominado DSL, este poderoso antioxidante foi descoberto durante o processo de fermentação da bebida e não é encontrado no chá preto sozinho, ou seja fora da receita de kombuhca.

Cientistas chegaram a conclusão que o antioxidante mais a vitamina C são os responsáveis pelos efeitos contra danos celulares, doenças inflamatórias e depressão do sistema imunológico que estão entre os benefícios da kombucha.

3. Desintoxicação

A bebida apresenta uma alta capacidade de desintoxicação e pode combater a toxicidade nas células do fígado.

Num estudo em que essas células foram protegidas da lesão oxidativa, elas mantiveram a sua fisiologia normal ainda que tivessem sido expostas a uma toxina. Os pesquisadores afirmaram que isso ocorreu provavelmente devido à atividade antioxidante da kombucha.

4. Sistema digestivo

No processo de fermentação da kombucha, os os açúcares são quebrados pela levedura e pela bactéria e são transformados em álcool e ácido. Isso torna a bebida rica em probióticos durante o processo.

Os probióticos são microrganismos vivos, que também são conhecidos como as bactérias do bem. Eles competem com as bactérias do mal que causam doenças e são particularmente vantajosos para reforçar a saúde intestinal e amenizar problemas digestivos como a diarreia.

Uma pesquisa, divulgada no ano de 2010 e feita por um pesquisador da Universidade de Gothenburg, na Suécia, ao lado de outros cientistas, mostrou que a kombucha preparada com chá preto pode auxiliar o tratamento de úlceras estomacais por conta dos antioxidantes presentes na bebida.

5. Perda de peso

Um estudo realizado em 2005,apontaram que a kombucha pode melhorar o metabolismo, consequentemente melhorar o processo de queima de gorduras e calorias, e limitar o acumulo de gordura.

Porém é só um estudo, ainda são necessárias mais pesquisas para comprovar esses benefícios da kombucha apresentados possam ser confirmados.

6. Saúde das articulações

Existem benefícios da kombucha para as articulações graças ao fato de ser dotada de glucosaminas, substâncias que aumentam a produção do ácido sinovial hialurônico.

Mas o que isso tem a ver com as Mas o que isso tem a ver com as articulações? É que isso previne a dor artrítica e apoia a preservação de colágeno. Vale lembrar que o colágeno é uma proteína utilizada para formar a pele, a cartilagem, os tendões, os ligamentos e os vasos sanguíneos, segundo o Centro Médico da Universidade de Maryland.

Fazendo a receita de kombucha

Ingredientes:

1 bom cultivo de kombucha;
¼ de l de chá fermentado;
250 g de açúcar branco refinado;
3 l de água mineral pura e sem cloro;
4 a 6 bolsas pequenas de chá preto sem presilhas de metal;
1 panela grande de vidro bem higienizada;
1 recipiente de vidro bem limpinho para abrigar a fermentação;
1 pano de prato bem higienizado para tampar o recipiente de vidro;
1 elástico bom ou um fio forte bem limpinho para prender o pano.

Leia também: Criado antídoto contra ressaca: teste em ratos teve sucesso

Preparo:

1-Livrar-se todos os anéis, pulseiras ou relógio que esteja usando, lavar bem as mãos e higienizar bem e com muito cuidado todas as superfícies que entraram em contato com os objetos utilizados na preparação da bebida, certificando-se que eles estejam bem esterelizados.

2-Ferver os 3 l de água na panela durante cinco a 10 minutos. Adicionar 250 g de açúcar e ferver ao longo de mais dois ou três minutos;

3-Desligar o fogo e adicionar as bolsas de chá na panela. Deixar o chá descansar na água durante 15 a 20 minutos;

4-Após, retirar as bolsas e deixar o líquido esfriar. Quando ele estiver em temperatura ambiente, passar para o pote de vidro onde ocorrerá a fermentação;

5-Acrescentar o chá fermentado. Colocar cuidadosamente o cultivo de kombucha sobre a superfície do líquido no recipiente, deixando a parte mais fina e clara para cima e a parte mais rugosa e escura voltada para baixo;

6-Por o pano em cima do recipiente de vidro e prendê-lo firmemente com o elástico;

7-Levar o recipiente para um local esterilizado, tranquilo, que não receba fumaça de cigarro, esporos de plantas ou raios diretos do sol. Antes de escolher o lugar, é importante saber que o produto gera um odor ácido ou similar ao do vinagre. Portanto, selecione um espaço onde o cheiro não incomodará tanto, pois o pote não deve ser movido, sob o risco de atrasar o processo;

8-Deixar a kombucha repousar entre cinco a 14 dias. O tempo varia de acordo com a temperatura do ambiente e a época do ano. Caso esteja calor, a partir do terceiro dia já é permitido experimentar a kombucha com uma colher de madeira ou plástico bem higienizada (alumínio nem pensar!), já que no calor a fermentação ocorre mais depressa;

9-Ao experimentar, tomar cuidado para mexer o líquido ou a colônia o mínimo possível. O sabor poderá sair parecido com o do guaraná ou champanhe. Não há uma regra fixa quanto ao gosto ideal que indica quando ele está pronto, a preferência pessoal é que determina se o produto está pronto ou se deve esperar mais alguns dias;

10-Assim que estiver pronto, retirar o pano. Neste instante, você perceberá que outro cultivo foi formado. Caso o primeiro esteja na parte de cima, o segundo provavelmente estará grudado e será necessário separar os dois. Se precisar separar, preferir manter a integridade do que foi originado durante a fermentação, já que ele poderá ser utilizado para a produção de outra kombucha;

11-Transferir a kombucha para garrafas menores de vidro, sem enchê-las até o fim e fechá-las com tampas de plástico sem rosca para evitar que o gás carbônico desprendido estoure a garrafa. Recomenda-se também reservar 10% da quantidade do líquido fermentado para a próxima produção de kombucha. O uso do líquido reservado não é obrigatório e caso as suas bebidas estejam saindo avinagradas ou muito ácidos, a orientação é que esse líquido nem seja utilizado.

Cuidados com a kombucha

Apesar de todos os benefícios da kombucha, ela não é completamente vantajosa para a saúde. Existem relatos que indicam que a kombucha pode ter efeitos colaterias, tais como perturbação estomacal, reações alérgicas, problemas nos rins, doenças de pele, acidose metabólica, além de causar toxicidade hepática.

Não é recomendada para pessoas que estejam enfermas, sistema imunológico enfraquecido, estejam com diarreia, síndrome do intestino irritável, crianças, idosos e mulheres grávidas ou em processo de amamentação de seus bebês.

A Food and Drug Administration (Administração de Alimentos e Drogas, tradução livre, FDA, sigla em inglês), órgão de saúde dos Estados Unidos, já apresentou preocupações em relação à contaminação da kombucha com fungos como Aspergillus (que pode causar uma doença infecciosa no pulmão) e Candida sp (que pode causar a candidíase).

Quem tem hemofilia (distúrbio associado à coagulação no sangue) deve evitar a sua ingestão e a bebida também não é indicada para quem tem alergia ao chá preto ou ao açúcar. Além disso, ela pode afetar os níveis de açúcar no sangue de pessoas diagnosticadas com diabetes.

O preparo da kombucha em casa deve ser feito com bastante cuidado, em um ambiente e com objetos esterilizados, pois existe o risco de contaminação por conta da levedura e das bactérias patogênicas (causadoras de doenças). Ela deve ser preparada em recipientes de vidro, já que o uso de outros tipos de materiais podem trazer substâncias tóxicas como chumbo à receita final.

Quando a bebida está contaminada ou foi fermentada além do ponto, ela pode gerar problemas graves à saúde, incluindo a morte.

Quem tem sensibilidade ao álcool ou não pode ingerir nenhum teor de álcool, por menor que seja, deve estar consciente de que ele está presente na bebida. Outro cuidado importante é tomar cuidado para que a colônia ou cultivo a ser utilizado na produção não tenha mofo.

Para ter certeza de que a bebida será benéfica para você e não lhe fará mal, principalmente se você já sofrer com uma doença ou condição específica de saúde, é fundamental conversar com o médico antes de começar a utilizá-la.

Qual a quantidade de kombucha posso tomar diariamente?

A recomendação é começar o consumo de kombucha aos poucos, ingerindo pequenas quantidades, Orienta-se consumir 118 ml diariamente. Já a quantidade máxima de ingestão indicada, que não deve ser ultrapassada, é de 470 ml por dia.

Informações Mundo Boa Forma

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS